Ex-senador Armando Monteiro volta ao PSDB com objetivo de fortalecer base para 2022


 Esta segunda-feira (8) ficou marcada pela posse de Raquel Lyra (PSDB) na presidência do partido e da volta do ex-ministro Armando Monteiro à sigla. O Diario já havia adiantado sobre ambos acontecimentos. Sobre a posse de Raquel, fontes próximas ao tucanato assinalaram que “foi tranquila... Nenhum problema à vista”. “Alessandra passa o bastão de forma muito tranquila e amigável”.  

Durante a posse, Raquel Lyra (PSDB) lembrou da importância de mulheres ocuparem cargos de poder e garantiu que a luta é o caminho para fazê-lo. “A gente precisa trabalhar muito para garantir igualdade de gênero, respeito e ocupação de espaço e garantir que a nossa visão de mundo possa influenciar nas políticas que façam da nossa sociedade, uma sociedade mais justa, mais fraterna, mais solidária”, destacou a nova presidente da legenda no estado. “Assumo essa missão e sei o tamanho da responsabilidade que tenho para conduzir os rumos do partido daqui por diante”, completou Lyra. 

“Bruno quer Armando para ajudar os tucanos a articular as eleições de 2022", adiantou outra fonte. Sobre esta declaração, Monteiro - que agora volta ao tucanato - declarou que está indo por este caminho e que o objetivo dele no partido é fortalecer a base e unir a oposição em prol de um 2022 mais vitorioso. “Quero me juntar ao conjunto que está sob a direção de Raquel e Bruno. Muito entusiasmo para fortalecer o partido. Também para garantir maior unidade das oposições em 2022”, declarou em entrevista ao Diario. 

Questionado sobre a possibilidade de se lançar ao cargo de deputado federal em 2022, Armando (PSDB) adiantou que, no momento, isso não faz parte dos planos do político. Segundo ele, o momento é de fortalecer os tucanos. “São apenas especulações sobre isto. Ser deputado federal é uma coisa muito honrosa, mas não é o que eu estou querendo”, adiantou. 

Sobre a sua reintegração ao partido, Armando (PSDB) declarou que se sente honrado. “Lideranças nacionais do partido, Fernando Henrique Cardoso (PSDB-RJ), João Doria (PSDB-SP), Aloysio Nunes (PSDB-SP), entraram em contato me parabenizando. Tenho muitos amigos no PSDB Nacional e o presidente Paulo Marinho me recebeu bem. Me sinto bem acolhido tanto nacional quanto regionalmente. Isso me estimula muito e me anima a desempenhar o trabalho que preciso desempenhar”, destacou. 

A reportagem o questionou sobre o recebimento da notícia da anulação das condenações do ex-presidente Lula da Lava Jato pelo STF. A resposta foi a seguinte: “Ao que me parece é uma decisão de caráter processual.É uma vitória para o Lula, anula os processos, e volta para a estaca zero. Com isso, ele pode se tornar elegível em 2022. Vai produzir um efeito político importante que é a possibilidade do ex-presidente voltar a disputar a eleição”. 

Diário de Pernambuco

0 Comentários

header ads
header ads header ads