Pernambuco confirma segundo caso de superfungo


 Mais um caso do superfungo Candida auris foi confirmado em Pernambuco na quinta-feira (13), totalizando 2 casos da doença. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), o segundo caso é o de uma mulher de 70 anos que foi internada por problemas neurológicos no Hospital da Restauração (HR), no bairro do Derby, área central do Recife, no último dia 24 de novembro, e faleceu no início deste ano.

“Ela veio a óbito por problemas provocados pelo seu diagnóstico de entrada na unidade hospitalar. Enquanto esteve internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital, a paciente teve o exame de urina sugestivo para o fungo. Ela estava colonizada pelo micro-organismo, mas não apresentava infecção por ele (o exame de hemocultura não constava a presença do fungo)”, destacou a secretaria em nota.  

Na quarta-feira (12), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já tinha divulgado a confirmação de um surto do superfungo no HR. O primeiro caso confirmado, um homem de 38 anos, foi admitido na emergência de traumatologia da unidade de saúde no dia 21 de novembro de 2021 e recebeu alta no dia 30 de dezembro.  

A identificação da suspeita do micro-organismo se deu por meio de um exame de urina de rotina no hospital, porém não havia infecção provocada por ele. 

Mais um caso em análise 

Um terceiro caso segue sendo analisado pelo Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA) e pelo Laboratório Especial de Micologia da Escola Paulista de Medicina (LEMI - Unifesp). É o de homem de 46 anos, também admitido pela emergência de trauma do HR, em 13 de dezembro de 2021. 

“O paciente está na UTI e sem nenhum sintoma relacionado à infecção pelo fungo. O exame laboratorial sugestivo da unidade hospitalar saiu na última terça (11)”, informou a pasta estadual em nota. 

Ações de monitoramento 

Ainda segundo a SES-PE as ações de monitoramento estão sendo realizadas pelo Estado juntamente com a Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa), Lacen PE e BA, Laboratório Especial de Micologia da Escola Paulista de Medicina (LEMI - Unifesp), Anvisa e os Centros de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs nacional, Pernambuco e Recife).   

Transmissão 

A Candida auris é um fungo que pode causar infecções invasivas, além de ser multirresistente a fármacos comumente utilizados para tratar infecções por Candida.

A Anvisa explicou, em alerta emitido em 2017, que ainda não se sabe ao certo como o fungo se transmite dentro de uma unidade de saúde. A princípio, estudos apontam que a transmissão pode ocorrer por contato com superfícies ou equipamentos contaminados e de pessoa para pessoa.

Folha de PE

0 Comentários

header ads
header ads
header ads