Com gritos e boneco inflável, Bolsonaro se filia ao PSL em Brasília


Sob gritos e aplausos, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) participa na noite desta quarta-feira (7) de um ato de filiação ao PSL na Câmara dos Deputados. Enquanto era saudado por militantes com gritos de guerra e Hino Nacional dentro do Congresso, o pré-candidato à Presidência da República era representado do lado de fora por um boneco inflável de grandes dimensões.

 Ao discursar, o deputado explicou a origem de seu nome. "Eu sou o messias. Jair Messias Bolsonaro", disse.

 Como a "janela partidária" --período em que parlamentares podem trocar de legendas sem punições--  terá início a partir dessa quinta (8), o evento foi tratado com um "ato simbólico".

 Bolsonaro é o  nas pesquisas de intenções de voto para as eleições de outubro.

 Presidente nacional do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE) afirmou que, além de Bolsonaro, outros sete deputados se filiarão à sigla nesta quinta. Segundo o pernambucano, o número pode crescer até o fim da janela, em 7 de abril.

 "Como o Bolsonaro já falou, nós estávamos noivos e hoje é o dia do casamento", declarou, provocando risadas no plenário. Nesse momento, alguns presentes no plenário gritaram repetidamente "beija". Um homem irrompeu dizendo que "aqui não é o PT".

 Ao discursar, o senador Magno Malta (PR-ES) foi saudado como possível vice de Bolsonaro na chapa presidencial. Para o senador, o debate das eleições se dará com base "nos valores da família, no combate à corrupção e à violência".

 Para Malta, o novo presidente terá que ter "sangue no olho" e "disposição para emparedar vagabundo". Ao final de sua fala, Malta disse que é candidato à reeleição ao Senado e que Bolsonaro nunca o procurou para ser seu vice, mas ponderou que o futuro "tá na mão de Deus" e que "muita água ainda vai rolar".

 Desde o início do ato, os militantes alternaram gritos de guerra como "o capitão chegou", "a nossa bandeira jamais será vermelha" e "Lula na cadeia" --contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

 "Em sinal de respeito", os militantes se levantaram e entoaram o hino para que Bolsonaro discursasse. Antes de começar a falar, Bolsonaro pediu que Malta, sentado ao seu lado direito, fizesse uma oração. O senador é cantor evangélico.

 O ato ocorre no plenário número 2 da Câmara, que tem lotação máxima de 150 pessoas. Dezenas de militantes foram impedidos de entrar no local pela segurança da Casa.

 Também políticos, dois filhos de Bolsonaro discursaram no ato --Eduardo, deputado federal por São Paulo, e Flávio, deputado estadual no Rio de Janeiro.

 Com as filiações, o PSL vai praticamente quadruplicar o tamanho da sua bancada, que hoje tem três deputados. O tempo da propaganda eleitoral na TV e no rádio, no entanto, não será afetado pelas trocas de siglas. O cálculo para a distribuição leva em conta, entre outros fatores, o tamanho das bancadas eleitas no pleito de 2014 para a Câmara e as coligações entre os partidos. Como elegeu apenas um deputado no último pleito, o partido dispõe de 8 segundos.

Uol

0 Comentários

header ads
header ads
header ads