Pernambuco tem a maior taxa de desemprego do País


Vicente Manuel é solteiro, tem 30 anos e cursa o 6º período de enfermagem. Arthur Farias tem o mesmo estado civil, 28 anos e é formado em marketing. Sabe onde a vida deles se encontram? Na fila do desemprego, que nos últimos meses de maio, junho e julho atingiu mais 198 mil pernambucanos. Ao todo, diz o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), Pernambuco tem 767 mil desempregados, atingindo uma taxa de 18,8%. É a mais alta de todos os Estados brasileiros. No País, o percentual ficou estável em 13% ou 13,5 milhões de desempregados.

Vicente vem sentido os efeitos da crise desde o início de 2016, quando foi demitido do cargo de motorista que ocupava há mais de quatro anos. De uma renda mensal fixa de R$ 1,5 mil, passou a receber uma ajuda do avô de cerca de R$ 500. Enquanto se esforça para terminar a faculdade de enfermagem, faz bicos. “Tenho certeza que as coisas vão melhorar. Fiz um curso de condutor de emergência (custeado pelos familiares) e estou confiante que conseguirei uma vaga na área”, almeja Vicente.

Para Arthur, esta sexta-feira (18/8) será decisiva. Depois de 1 ano e seis meses parado, se virando como motorista de uber, ele conseguiu ser chamado para uma entrevista em uma empresa do ramo do marketing. “Foi difícil ser chamado. Vaga de emprego aqui tá mais concorrida do que o vestibular de medicina”, brinca para amenizar o aperreio com as contas: quando estava trabalhando, seu salário chegava a R$ 1,5 mil. Agora, só consegue tirar, no máximo, R$ 700 por mês com as corridas.

Segundo o coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, os números de Pernambuco (e os do Rio de Janeiro, que ficou com a 2ª taxa mais alta – 15,6%) estão na contramão da tendência observada no resto do Brasil, em que há sinais de estabilização do mercado de trabalho neste ano. “Se observarmos os números, vemos que a tendência de alta de Pernambuco vem acontecendo desde o 2º trimestre de 2016, quando ficou em 14%. No primeiro trimestre deste ano o resultado foi de R$ 17,1%”.

DESMOBILIZAÇÃO

Para o professor de economia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Marcelo Eduardo, embora o resultado tenha sido alto, ainda não é o momento para desespero. “Temos que levar em consideração que essa tendência de alta no Estado está relacionada à desmobilização de Suape (obras da Refinaria Abreu e Lima e do Estaleiro Atlântico Sul, sobretudo) e à crise em toda a cadeia da construção civil”, afirma.

O cenário é pincelado por Azeredo. Segundo ele, o levantamento do IBGE mostrou que o setor foi o segundo que mais demitiu no período analisado: 24 mil pessoas. O segmento que mais demitiu no Estado foi o da agricultura, item não observado em outras regiões. Entre maio e junho, o setor demitiu 33 mil pessoas. “Ainda estamos analisando esse dado para saber se foi algo sazonal, por causa de alguma entressafra, ou se será algo perene. Vamos avaliar os próximos resultados”, adianta Cimar Azeredo.

JC

0 Comentários

header ads
header ads header ads