Sara Winter e o novo militarismo radical de "direita" [Opinião]


Parece que a militante Sara Winter conseguiu o que tando almejava: a fama. Desde os tempos em que atuava como feminista ridicularizando a fé cristã em nome de ideais pró-aborto e pró-homossexualismo, nem mesmo seminua beijando outra feminista em um protesto que simbolizava a crucificação de Cristo em frente a um templo católico (foto abaixo), Sara chamou tanto a atenção da imprensa como na noite do último sábado.

Acompanhada de um grupo denominado "300 do Brasil" idealizado por ela mesma inspirada na passagem bíblica de Gideão e os 300, a jovem elevou o tom de ameaça ao Poder Judiciário, em específico ao Ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes com palavras de baixo calão. Bem, na manhã da última segunda (15), ela foi presa pela Polícia Federal com base na Lei de Segurança Nacional com uma grande chance de continuar atacando o ministro, só que não.

Já no interrogatório, quando perguntada sobre um outro vídeo com tons de ameaça ao ministro também protagonizado por ela no mês passado, a militante ficou em silêncio. Ora, onde foi parar tanta arrogância? Na lata do lixo. 

Aceita por uma parte dos apoiadores do Presidente Jair Bolsonaro, Sara Winter é até chamada de cristã. Ao meu ver, uma cristã não chamaria um ministro do STF de “filha da p...” e “arromb...”, dizendo que quer “trocar soco” com ele e prometendo “infernizar” a vida dele [Alexandre de Moraes].

Não precisa ser muito experto para perceber que Sara tem um plano político para executar. Nas eleições passadas, ela chegou a ser candidata a deputada federal pelo DEM no Rio de Janeiro, mas não decolou. Semelhante a outra deputada paulista jornalista da Revista Veja, que foi eleita pelo palanque do Presidente e hoje lhe faz oposição, Sara também apostou no voto dos bolsonaristas.

Pelo menos para um dos filhos do presidente, o Eduardo Bolsonaro, ficou claro que Sara apresentou comportamentos reprováveis: "‪Independentemente da conduta de Sara Winter - eu reprovo boa parte delas...".


header ads
header ads header ads